Entrevista com o cientista James Lovelock sobre aquecimento global

Olá leitores!

Hoje posto uma entrevista dividida em três partes do youtube feita pela Globo news com o cientista James Lovelock, que bem dizer descobriu o aquecimento global. Eu já havia postado anteriormente uma entrevista de um site com ele : Aquecimento Global é inevitável .
Achei interessantes postar estes vídeos também porque mostram uma visão bem diferente do que estamos acostumados a ver por aí, com muito drama e aflição, e James Lovelock parece não digo ter uma visão mais conformada, mas mais sábia do assunto. É inegável sua experiência e conhecimento como ambientalista.
Deixando de lado a visão que podemos frear o aquecimento global, Lovelock dizendo ser inevitável, sugere uma forma de obtenção de energia por meio de usinas nucleares, muitas vezes contestadas e que em vez de nos preocuparmos em deter o aquecimento global, devemos começar a pensar em como poderíamos nos adaptar da melhor forma.
Isso me fez pensar bastante, pois é isso que a natureza é, e o que ela faz, ela se equilibra, ela busca meios de continuar da melhor forma que puder, e o ser humano, sendo parte da natureza também poderia pensar assim.
Afinal, o que fazemos é: ou tampar os olhos para os problemas, ou não aceitar as consequências de nossos atos, ou pior, porém mais frequente, tentamos tirar vantagem sobre os problemas, como, a exemplo da entrevista, investir muito dinheiro em tecnologias alternativas que pouco trarão resultado para a humanidade e o planeta, apenas para gerar lucro para grandes companhias.
Ele também comenta do acidente em Chernobyl e em como a natureza, em meio a grande radioatividade, pareceu não se importar!
Isto me fez lembrar de um documentário que assisti e que postarei em seguida à entrevista, chamado Radioactive Wolves, sobre os lobos da zona de exclusão. É surpreendente ver como a natureza tratou de tomar posse do que era dela e que a vida selvagem está em relativo equilíbrio de volta àquele lugar.
Damos tanta importância sobre nossos feitos que esquecemos que somos apenas mais uma espécie no planeta e que sim, temos a capacidade de acabar com os recursos necessários à nossa sobrevivência, mas não somos maiores que o planeta, e não somos maiores que à sua tendência ao equilíbrio natural.
A minha conclusão dessa reflexão é que devemos continuar a fazer o que achamos certo, a defender as causas ambientais porque delas fazemos parte, mas para não nos deixarmos levar pela ansiedade de salvarmos o mundo de um dia para o outro e acabarmos caindo em golpes de grandes empresas.

Acho que precisamos confiar mais na natureza, e assim como ela, aprendermos a nos adaptar.

Parte 1

Parte 2

Parte 3

 

Documentário – Radioactive Wolves of Chernobyl

Até a próxima!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s